Todos têm a própria maneira de encontrar conforto.

 A Hospedeira.   (via renovamos)

Esse é o primeiro texto que escrevo estando sob o efeito de álcool. Sinto muito, sinto tanto que precisei encher a cara, castigar o meu fígado ao máximo, tentar afogar gota a gota esse peso, a vaidade e o egoísmo que existem dentro de mim. Cansado da falsa benevolência das pessoas, briguei com deus e não tenho com quem desabafar. Quero ser eu outra vez, mas nunca foi tão difícil de me encontrar como nesse último mês. Sinto falta de algumas coisas, existem três buracos em meu peito, foram feitos por tiros de realidade. É como se minha alma tivesse sido caprichosamente descosturada do meu corpo. Um buraco para a falta de crença, outro para o desgaste emocional e um terceiro que ainda não consegui dar-lhe sentido, mas não quer dizer que não esteja ali, sangrando como os outros. O medo comeu minha crença. Estou em uma dança íntima e iminente com meu próprio fim. Vejo o anjo da morte no centro da lagoa em plena luz do dia. Me desarmo, sem pudor, perco o medo, me entreguei. Renasci.

Sereno. A Embriaguez de estar Sóbrio.  (via oxigenio-dapalavra)

Segundo a mitologia grega Atlas foi condenado por Zeus a segurar o mundo inteiro nas costas, mas creio eu que ele não é o único que faz isso. Esse ato doloroso não é apenas um mito, não é algo que se vê apenas nos livros de história. Quantos Atlas existem nesse mundo? Quantos humanos todos os dias têm que segurar o seu próprio mundo nas costas? É preciso ter força na alma, ter coragem, determinação; não é fácil ser o único alicerce de um mundo inteiro. É uma condenação dada pela vida, ninguém pode fazer isso por você, e mesmo que pudesse, não faria. Imagina alguém segurando dois mundos nas costas, você acha que ele suportaria? Chegará um momento em que o mundo se tornará pesado demais, esse mundo que você segura todos os dias, desabará em cima de você. É nesse momento que se descobre os vencedores, é preciso mais do que força para reerguer um mundo inteiro novamente, as dores são imensas e a maior vontade que se tem é desistir de tudo e simplesmente esperar a morte. Vamos Atlas, levante! Você tem um mundo para segurar! Esse mundo é seu, tem os seus sonhos, seus planos, seus sentimentos, seus desejos, é nesse mundo que você guarda tudo que ama. Nada é eterno, chegará um tempo em que seu mundo começará a diminuir, ficar mais leve, ele irá desaparecendo juntamente com sua existência. No fim você desaparecerá por completo e aquele mundo que você tanto segurou se tornará uma semente, a semente do legado. Essa semente será plantada e florescerá na vida de cada um daqueles que assistiram tua determinação ó grande Atlas.

Destroços de uma vida acabada, Otávio L. Azevedo    (via permutou)
276 · reblog
mists